Bem Vindos!!!!!

Bem vindos queridos amigos e leitores! não reparem muito pois o Blog é novo e agora que me adentrei neste mundo tão virtual quanto a nossa propria realidade.
Criei este Blog amador com finalidade e objetivo de discutir principalmente o Jornalismo nosso de cada dia, todos os percausos e maravilhas desta profissão tão apaixonante.
Mas não se impressionem se forem abordados temas que fogem um pouco o tema Jornalismo.
No mais sejam bem vindos e lembrem-se:

"Se você é capaz de sonhar, é capaz de fazer."

Uma ótima leitura!
Até mais!

Josimar Melo


quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Profissão Jornalista. Base e Pilar de uma Sociedade

Trabalhar com comunicação está entre uma das profissões mais gratificantes da sociedade. O poder da informação, e saber de tudo que acontece em primeira mão, tornam o dia a dia desse profissional um mediador social de extrema confiança para a construção da história, sendo um elo de comunicação entre o público e a opinião.

A própria história da imprensa brasileira se confunde com a formação do nosso país. Desde Gutenberg à Internet, as mídias vêem ganhando um papel cada vez maior de influência no senso critico da sociedade. Nos primórdios da imprensa, mais precisamente na Revolução Francesa, os ideais da própria imprensa e do papel do jornalismo criam suas bases.

Na antiguidade a informação era um bem guardado a sete chaves e o jornalismo surgiu como meio de esclarecimento, racionalização da vida moderna, um órgão de mediação de toda modernidade. Um poder fundado pela vontade coletiva contra o exercício do poder político.

Vejo a importância do jornalismo como um dos fatores fundamentais para o próprio movimento da história moderna. E a liberdade de opinião se firma como um dos pilares da imprensa que sustenta a critica e o julgamento.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Ciclo Vicioso, Aversão Pelo Novo.

Sempre que conversamos ou discutimos sobre o espaço político do nosso Estado, País ou município, os critérios de observação apontam para o relativismo puramente negativo e nos períodos de eleição, os defeitos se sobrepõem as qualidades.

Ao analisar de maneira isenta o cenário político da cidade de São Luís, atentei para um ponto comum na história e uma diferença com grandes municípios e até outros países, o chamado “Ciclo Vicioso e a Aversão pelo Novo”.

A grande mudança, o grande impacto na política mundial, deveu-se principalmente a esperança pelo novo. A eleição do novo presidente do EUA representa a esperança de um povo, uma nação cansada das práticas dominadoras que fazem do país mais poderoso do mundo a ser o campeão em arrogância e prepotência, e a figura do ultimo presidente americano ajuda a manter essa imagem.

Voltando ao âmbito local, as eleições para cuidar da nossa poética cidade colocaram o embate experiência versus mudança. Um candidato apostando em sua história para conquistar o tão almejado cargo, e o outro candidato se direcionando a mudança do quadro político que se apresenta já a um bom tempo.

Eleições finalizadas e o dito candidato experiente venceu as eleições. Uma opinião pessoal sobre a política, que sempre fui muito critico, é que vivemos e somos escravos da falta de opção. Fico muito triste quando escuto de eleitores que votariam e um candidato que cometesse erros mais que fizesse alguma coisa, “A que ponto chegamos”. Não vou ser partidário nem defensor de um candidato A ou B, mas a história e simplesmente a consciência das pessoas regem o rumo político do mundo, do país, ou de sua localidade. A eleição direta impõe a responsabilidade nas mãos do povo, povo este muitas das vezes desacreditado e sem esperança.

Torço para que tudo melhore e finalmente a cidade evolua e cresça, tendo realmente o tratamento que merece. A esperança pelo novo elegeu o primeiro presidente negro da nação mais poderosa do planeta, comovendo e apontando todos os olhares para que ele seja o melhor líder americano da história. Em São Luís, o poder nas mãos de poucos, faz do ciclo vicioso, uma aversão pelo novo.

domingo, 19 de outubro de 2008

Caminhos a Seguir

Nos percalços da vida sempre procuramos por sinais, uma espécie de guia nesta caminhada que se chama vida. Desta vez na busca pelo profissionalismo, me guio por coincidências positivas na carreira que escolhi.

Trabalhava em uma área profissional que não tinha muita ligação com a formação acadêmica que estava adquirindo. Sempre ficava atento a postura e a paixão pelo jornalismo que alguns amigos da faculdade demonstravam no dia a dia, contando suas experiências, as dificuldades do dia a dia, e é claro a empolgação de trabalhar com informação a favor de toda sociedade.

Tinha e tenho um sentimento de felicidade por eles trabalharem direto na comunicação, mas devido às situações da vida não podia me aventurar na carreira ainda. Certa vez me indagando sobre o futuro e já descontente com minha rotina diária, acordei, levantei, assisti aos jornais matinais e disse para mim mesmo: “Tenho que adquirir conhecimentos para adentrar na profissão que estou tendo conhecimentos acadêmicos” mas uma vez pensei nos prós e contras e fiquei com medo do presente e do meu futuro.

Passei a viajem inteira que faço para chegar ao centro da cidade onde trabalhava pensando no meu futuro. Quando cheguei a uma praça observei uma igreja e pedi: “Deus guie meu caminho, me dê um sinal sobre o caminho que eu devo seguir no futuro” quando dobro a esquina me deparo com uma jovem repórter de TV, olhei para o céu e falei: “esse é o sinal? Puxa tão rápido. Será?”. Continuei a minha andada e escutei chamarem meu nome, quando me aproximei me dei conta que a jovem repórter era uma amiga da faculdade, a qual sempre admirei seus textos e sua paixão pelo jornalismo.

Depois de muita dificuldade tomei uma decisão, deveria fazer minha vida andar para frente e não deixá-la estagnada trabalhando em algo que não gostava mais. Comecei a procurar pelos estágios e consegui algumas oportunidades (Mas essas histórias darão muitos outros textos futuramente).

Quando observava o mundo jornalístico apenas com um olhar de um jovem universitário sem experiência, a crítica em busca do jornalismo parcial dominava minha opinião. Agora minhas idéias ganharam fundamento com a pouca experiência que adquiri (Mas isto também será discutido no futuro).

Na busca por experiências passamos por inúmeras situações desagradáveis, inclusive a não valorização do que fazemos com tanto amor e dedicação. Às vezes estagiários se abalam com os percalços e as dificuldades na valorização da profissão e principalmente no valor e preconceito dado a categoria de estagiário.

Cumprindo minhas atividades diárias como estagiário de jornalismo, uma história marcou mais uma vez. Levava uma das funcionárias da empresa para uma entrevista, a funcionária estava até nervosa, mas dominava o assunto da matéria em questão, enquanto a orientava e adiantava sobre que o repórter poderia lhe perguntar eu mesmo me indagava e pensava, tentando não transparecer minha preocupação com meu futuro.

Ao chegar ao local me encontrei com uma jovem e talentosa repórter, mais uma vez minha amiga da faculdade. Perguntando-me sobre como eu estava expliquei a ela minha situação, e bem segura e com a opinião de alguém que conhece as rotinas da nossa profissão, a jovem repórter disse que essas situações acontecem para que possamos aprender e quando chegar a nossa vez tomarmos a melhor decisão.

No decorrer da reportagem percebi o quanto ela é apaixonada pelo que faz e a alegria e o carisma que passa a todos ao seu redor.

Ela não sabe, mas essa jovem, porém talentosa repórter tem uma presença importante e uma influência positiva nas decisões que tomei. Por duas vezes ela apareceu e intercedeu em momentos importantes em que eu precisava de conselhos e um caminho para seguir.

sábado, 9 de agosto de 2008

O Poder de Construção e de Interferência da Mídia na Realidade

Quando falamos a respeito do poder que a mídia exerce em todas as sociedades, principalmente depois do advento do capitalismo nós Jornalistas vemos o quanto de influencia no mundo nós causamos, quando escrevemos uma matéria, mostramos uma noticia em um determinado tipo de veiculo de comunicação de massa como TV, rádio e a tão ágil e rápida internet, o Jornalismo é ao mesmo tempo intermediário do fato com o telespectador e construtor desta mesma realidade.

Vamos tomar como base da teoria da construção da noticia o newsmaking, o Filme “Terra de ninguém” que tem como pano de fundo uma guerra Européia na fronteira entre dois países.

Neste filme uma jornalista está em busca de um furo jornalístico, para conseguir informações ou seja captar os dados que precisa, ela ouvi clandestinamente as freqüências militares, o que é crime, para tentar mostrar uma determinada realidade. Esta é mais uma conseqüência da pressão que o jornalista sofre pela busca da noticia.

A Jornalista mostra o fato criando uma situação que leva emoção, e a ONU só passa a tomar providências por causa da repercussão da imprensa, mais uma prova da influência e do poder da mídia na sociedade, a imprensa mostra o fato de modo que a sociedade se comova e esta pressione as autoridades a tomar atitudes, neste caso a ONU não queria ter sua imagem criticada nos meios de comunicação e se viu a ter que tomar atitudes, tudo começando com a divulgação de uma matéria.

Mas é claro todo acontecimento possui critérios e valores para se tornar uma noticia, os critérios servirão de escala para se formar uma noticia e os valores a serem dados serão os atributos, sem esquecer de mencionar a preocupação com a audiência pois, é o publico que determina o que é noticia.

E um dos principais fatores a serem mencionados na construção de uma noticia são os constrangimentos organizacionais, ou seja, a empresa a qual o jornalista é empregado tem bastante força no poder de decisão sobre o que é noticia.

O Jornalismo não é somente um espelho que reflete o que acontece mas é o construtor de uma realidade que dependendo destes fatores já citados como os critérios de noticiabilidade, os valores noticia, a audiência e é claro as empresas jornalísticas possuem um papel fundamental não só de construção e interferência mas possui um papel de enorme influência na sociedade, por isso jornalistas e empresa de comunicação de massa devem ter grande preocupação com o que é divulgado e a forma como e passado ao publico, pois somos formadores de opinião com credibilidade social a zelar.

domingo, 3 de agosto de 2008

POLÍTICA CINEMATOGRÁFICA

Política, um assunto muito interessante e de primordial importância no futuro do nosso país, estado, de nossas cidades e principalmente nas nossas vidas.

Mas infelizmente chegou um período que pessoalmente nunca fui fã.

Poluição sonora com impertinentes gingles incomodando a paz e o silêncio existente em momentos reservados ao descanso, carreatas engarrafando nossas avenidas, congestionando e mostrando a falta de infra-estrutura de uma cidade que não foi planejada para crescer.

Isso ainda sem falar do premiado Horário Político, que interfere na programação alienante da TV brasileira. Sem mencionar que o horário reservado aos políticos não poderia ser melhor adjetivado do que alienante e humorístico. Um show de entretenimento que leva a acreditarmos que realmente a situação em que o mundo se encontra pode mudar. Não sou contra termos um pouquinho de esperança, mas a vida real se torna bem diferente dos filmes com um belo final feliz em que todos acabam bem. Na realidade vemos pessoas comuns se portando como atores falando de fantasias mais que irreais, e exercendo o papel de platéia estamos todos nós, aplaudindo, rindo e enchendo o faturamento da bilheteria e ao final levantamos e enxergamos a dura e cruel realidade.

Um verdadeiro roteiro de cinema, muita propaganda, muita falação, expectativa e ao final temos que encarar a vida que nos cerca.

(E relembro o Horário Político ainda nem começou)

sábado, 7 de junho de 2008

Brasil Olímpico








Os jogos Olímpicos acontecem entre 8 a 24 de agosto. O Brasil até o momento já garantiu a vaga de mais de 198 atletas em plena preparação que começam a fazer as malas para ir a Pequim, na China.

Por Alice Albuquerque e Josimar Melo



Aproximadamente 24 milhões, é o valor que o governo deve liberar para a participação dos atletas brasileiros na Olimpíada de Pequim. Um dinheiro que não deveria esperar quatro anos para ser aplicado, mas sim ser investido anualmente em educação, saúde, e esporte como é feito em países que são referencias econômicas e potências olímpicas como Cuba e China, paises que são gratificados com um show de medalhas em olimpíadas e outras competições esportivas por fazerem investimentos ponderados. Através de investimento e uma correta aplicação desse dinheiro, o Brasil teria mais chances de medalhas nos jogos olímpicos e ainda mostraria para o mundo que pode enfim ser sede dos jogos olimpicos de 2016.
Na Olimpíada de Atenas o Brasil fez uma de suas melhores performances em jogos olímpicos, porém deixou à mostra o quanto ainda precisa ser feito para o país se tornar uma potência olímpica. Foi conquistado o 18º lugar no pódio com 4 medalhas de ouro, 3 de prata e 3 de bronze.
Espera-se que em Pequim o Brasil conquiste mais medalhas. Já são 198 atletas em 25 modalidades diferentes que irão representar a camisa verde amarela nas Olimpíadas de Pequim.
Os Gregos criaram os Jogos Olímpicos, por volta de 2 500 AC, era uma espécie de ritual em homenagem aos deuses.
As Olimpíadas da Era Moderna começaram em 1896, porém o Brasil só começou a participar dos jogos a partir de 1920 na Antuérpia, na Bélgica. Desde então, o país participou de todas as edições da competição, com exceção de 1928, em Amsterdã, pois o país atravessava uma crise financeira.
Nesse ano o Brasil tem sérias chances de vitória em várias modalidades que foram classificadas para a disputa como: atletismo, boxe, ciclismo, esgrima, futebol, ginástica artística, handebol, hipismo, hipismo saltos, judô, levantamento de peso, mountain bike, nado sincronizado, natação, pentatlo, remo, saltos ornamentais, masculino, taekwondo, tênis de mesa, tiro de arco, tiro esportivo, vela, vôlei.
As grandes chances de medalhas vêm da ginástica artística com Diego Hypólito, judô com João Derly, Luciano Corrêa e Thiago Camilo, isso se continuarem mostrando a mesma força e vontade que tiveram no mundial, na natação com Thiago Pereira o melhor atleta do Pan, Fabiana Beltrame no remo, taekwond com Nathália Falavigna, no iatismo com Robert Scheidt, Torben Grael e Ricardo Vinick, vale lembrar que o iatismo foi o esporte que deu mais medalhas olímpicas até hoje para o Brasil, da seleção de vôlei masculino considerado a melhor seleção de vôlei do mundo, além do futebol feminino com Marta, melhor jogadora do mundo, que tem mostrado um talento espetacular, entre outros.
Alguns atletas brasileiros estão enfrentando pequenos contratempos na preparação para competição, é o caso da nadadora Fabiola Molina que sofre desvantagem por não possuir um exemplar do LZR. O maiô desenvolvido pela Seedo em parceria com a NASA, que ajudou vários atletas a baterem recordes nos últimos mundiais. No entanto, a confederação Brasileira de Desportes Aquáticos (CBDA), já se comprometeu em comprar o artigo, apesar do seu preço elevado US$ 800,00 dólares.
Ainda há alguns esportes que podem ter representantes nos próximos meses como badminton, uma modalidade pouco conhecida entre os brasileiros, pois é mais praticado nas regiões leste e sudeste do país.
Guilherme Pardo o melhor jogador do país na modalidade, tenta obter vaga para Pequim. Caso consiga esse feito, será o primeiro a representar esta modalidade a representar o Brasil em Jogos Olímpicos.
Para esta Olimpíada o Brasil esta bem representado a torcida espera que sejam seguidos exemplos de ícones do esporte nacional como a lenda do atletismo Ademar Ferreira da Silva, no salto triplo da Olimpíada de Helsinque – 1952 quebrou duas vezes seu próprio recorde. Neste ano a esperança é depositada em Jadel Gregório, participante da mesma modalidade.
Já da equipe de tiro brasileiro, que foi a primeira a ostentar a honra de ser campeão olímpico, na Olimpíada de Antuérpia – 1920, esse ano a equipe de tiro esportivo representado por Stênio Yammoto e Júlio Almeida devem honrar o público com o ouro.

Até agosto a temporada é de tensão entre os atletas brasileiros, principalmente os que ainda não tem presença confirmada. A seleção só fica completa em julho, no fim do prazo para índices, posições em ranking e disputas de Pré-Olímpico.
Muito ainda precisa ser feito em termos de incentivo ao esporte no do Brasil, precisa-se de mais profissionais que acreditem que o esporte do Brasil é um investimento certo. A Olimpíada deste ano será uma boa vitrine para mostrar ao mundo como a nação brasileira possui grandes talentos, que só esperam um pouco mais de incentivo para surgir e retribuir o investimento, através do pódio e das vitórias. Tornando o Brasil um país de mais campeões.
Confira Vídeo Promocional das olimpíadas de Pequim


Olimpíadas Pequim 2008


quinta-feira, 22 de maio de 2008

Prólogo de uma Guerra

Recentemente o Jornal The New York Times fez uma matéria perguntando e levantando a questão:

De quem é a Amazônia afinal?

Não é de hoje que os meios de comunicação desencadeiam discussões e polêmicas pelo mundo todo, no caso do New York times não é diferente, conceituado e respeitado no mundialmente este jornal ainda vai dar muito o que falar aqui no Brasil.

A matéria de Alexei Barrionuevo, além de me deixar com raiva me deixou preocupado.
Não é de hoje que o Tio Sam se acha dono do mundo, querem ter a melhor tecnologia mas perdem para os asiáticos, querem ter a moeda mais forte e estão perdendo para o euro, olham para a Amazônia e a querem para eles. Disfarçando um discurso que a Amazônia é território mundial. Na maioria das escolas americanas é ensinado que nossa floresta não nos pertence.

Se eles a querem tanto falando sobre a preservação da natureza, por que então o USA é o maior poluidor do mundo? E o atual presidente George W. Bush se recusa a assinar protocolos de diminuição da poluição?

Discurso demagogo não?!!

Guerra

Quando um veiculo forte da mídia americana aborda assuntos internacionais colocando perguntas e indagações sobre domínio territorial, me faz lembra da guerra ocorrida por causa do petróleo iraquiano.

Todos as mídias americanas divulgavam que o Iraque possuía e estava produzindo armas químicas em grande escala, fatos até hoje nunca provados e muitas vezes até desmentidos.
O que me preocupa é realmente isso, não me surpreenderei se num futuro não muito distante, as grandes mídias do mundo principalmente a americana e a inglesa, mostrarem declarações que na Amazônia está sendo produzindo bombas atômicas, armas químicas etc.
Daí para frente ser declarada guerra contra o Brasil e a Amazônia pode ser tomada de nossa nação.

Vamos ficar de olho na mídia e principalmente nas nações mais poderosas, senão uma matéria de jornal pode se tornar o prelúdio de uma grande guerra.

terça-feira, 20 de maio de 2008

TV Pública e Interatividade

TV Pública e interatividade realmente existirão? Ou teremos uma extensão das velhas e conhecidas redes de televisão privada.

Quando ouvimos falar em TV pública, a idéia que fica é a solução e a revolução da mídia brasileira, a entrada em um novo mundo.

Entrar em um novo mundo de interatividade realmente mudará a estrutura da mídia que conhecemos?

A mídia voltada a interesses políticos, econômicos....etc.(esse discurso já conhecemos bastante). Voltando o olhar para o lucro nesta sociedade capitalista quem ganhará com uma TV voltada totalmente para o povo?(Além do povo é claro)

E esta chamada interatividade, pode até mudar e ganhar um outro nome por que não reatividade, pois não consigo ver interatividade por exemplo em assistir uma novela e ao mesmo tempo pela TV, comprar o vestido da atriz, seus sapatos. É realmente uma evolução da nossa fantástica tecnologia, mas como toda idéia começa com ótimas intenções pode não terminar bem.

Realmente ficam mais perguntas que respostas, afinal ainda não foi inaugurada a TV Pública, nem a interatividade. Mas vai demorar um pouco para termos esta chamada evolução, revolução quaisquer que sejam os nomes, mas temos que ficar de olho desde já no agora!

terça-feira, 29 de abril de 2008

CASO ISABELA. PARTE 2

vou tentar prometer que este é o ultimo texto a respeito deste caso!

MAIS UMA VEZ O QUE NÃO PODERIA FALTAR. A COBERTURA JORNALISTICA DO CASO ISABELA NARDONI.

NESTE ULTIMO DOMINGO, DIA VINTE E SETE DE ABRIL DE DOIS MIL E OITO, REPERCUTIU-SE ISESANTEMENTE EM TODAS AS MÍDIAS A RECONSTITUIÇÃO DO POSSIVEL ASSASINATO DA MENINA ISABELA NARDONI.


A MORTE DE UMA MENINA DE APENAS CINCO ANOS DE IDADE, A MÃE CHOCADA COM A TRAGÉDIA, POSSIVEIS ASSASINOS SENDO JULGADOS MESMO ANTES DE SE CONSEGUIREM PROVAS PARA INCRIMINÁ-LOS TUDO ISSO É EXPLORADO PELOS PRINCIPAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DO PAÍS DE UMA MANEIRA QUE TUDO SE TORNA UMA ESPECIE DE SHOW.

UMA ESPETACULARIZAÇÃO DA TRAGÉDIA É COLOCADA FRENTE A TODAS AS NORMAS ÉTICAS E ATROPELA O BOM SENSO HUMANO, TUDO EM PROL DO FURO JORNALISTICO, A NOTICIA E A INFORMAÇÃO EM DETRIMENTO AO APELO DA DIVULGAÇÃO.


REDES DE TELEVISÃO MOSTRANDO EM TEMPO REAL O TRABALHO DOS PERITOS, REPORTERES ESCALANDO E SE PENDURANDO EM FACHADAS DE PRÉDIOS TUDO PARA CONSEGUIR O MELHOR ÂNGULO, A MÍDIA TOMA PARA SI É CLARO A ARTE DE MOSTRAR O ACONTECIMENTO, SER REALMENTE OS OLHOS DO PÚBLICO.


MAS O QUE A MÍDIA AINDA NÃO SE DEU CONTA QUE ESTÁ SE TORNANDO E JÁ SE TORNOU NÃO SÓ OS OLHOS, MAS A BOCA E PRINCIPALMENTE O CEREBRO DOS TELESPECTADORES. EMITINDO OPINIÕES ANTES DA CONCLUSÃO DO CASO, HAJA VISTA QUE O PUBLICO TOMA COMO VERDADE AQUILO QUE VÊ E QUE ESCUTA.


QUANDO SE OBSERVA A COBERTURA EM TEMPO REAL PRINCIPALMENTE DA TV O QUE CHAMA ATENÇÃO E A AGLOMERAÇÃO DE PESSOAS EM FRENTE ÀS DELEGACIAS E NESTE CASO, NO LOCAL DA MORTE DA MENINA ISABELA, PESSOAS COBRANDO DA JUSTIÇA AGILIDADE E RAPIDEZ NAS INVESTIGAÇÕES, ESSE TAMBEM É O PAPEL DA POPULAÇÃO, MAS A PONTO QUE MANIFESTAÇÕES DE POPULARES A POUCOS METROS DOS PERITOS CHEGAM A ATRAPALHAR O ANDAMENTO DA PERICIA TECNICA, ISTO LEVA VER QUE A MÍDIA TAMBEM POSSUE PARCELA DE CULPA SOBRE ISSO.

A DECLARAÇÃO DE UM DOS MORADORES SOBRE A AGLOMERAÇÃO DAS PESSOAS É CONTUNDENTE CHEGA A DIZER QUE AS PESSOAS NÃO TÊM O QUE FAZER DE SUAS VIDAS.

ESTA ESPETACULARIZAÇÃO E O TRATAMENTO DADO AS NOTICIAS TORNA ESSA MASSA ISESSANTE UMA ESPECIE DE MASSA DE MODELAR QUE É TRATADA E MOLDADA DE ACORDO COM AS VONTATES E ANGULAÇÕES QUE O JORNALISMO, O PODER QUE A MIDÍA POSSUE TORNA OS OUVINTES, TELESPECTADORES E INTERNAUTAS EM MERAMENTE CONSUMIDORES.

E O JORNALISMO SE TORNA UM VENDEDOR DE UM PROTUDO QUE SE CHAMA “ESPETACULARIZAÇÃO”.

sábado, 26 de abril de 2008

Joranalismo Cultural ou Publicidade Cultural?

Essa foi uma semana difícil, mais um debate que não poderia deixar de virar um texto!

Discussões a respeito sobre o jornalismo cultural me ocorreu uma indagação! O jornalismo cultural que observamos,fixo o olhar sobre o nosso estado, não é meramente publicitário?
Vemos quando nas raras vezes temos um show em nossa capital que não seja forró, o que presenciamos é somente propagandas, matérias de serviços informando a hora e o lugar.
Gostaria de ler e ouvir criticas e elogios que não fossem ligadas a mera promoção do evento!
Mas o que fazer se lemos os jornais e encontramos somente publicidade?(nada contra o trabalho dos publicitários, aliás considero os brasileiros como uns dos melhores profissionais do mundo) mas devemos separar a propaganda do jornalismo!

Uma indagação leva a outra e deixo mais uma:

O Jornalismo Cultural virou propaganda por culpa dos jornalismo?

Ou

O sistema já imposto nos obriga a segui-lo e não oferece espaço para o verdadeiro Jornalismo?

domingo, 20 de abril de 2008

Filme O Custo Da Coragem."Vale a Pena Assistir"



Uma jornalista de coragem

O filme “O custo da coragem” conta a história verídica de Verônica Guerin, jovem, jornalista, e acima de tudo uma mãe preocupada não somente com seu filho, mas dedicada a fazer o que ninguém fazia em seu país, vendo a situação dos jovens de Dublin decidiu denunciar o enriquecimento de chefões do trafico de drogas.
Assumindo seu papel de jornalista do Sunday independent, Verônica Guerin investiga o cartel do trafico de drogas com a ajuda de um de seus informantes envolvido no trafico de drogas. Seu informante possuía uma vontade de aparecer na mídia e tinha o pseudônimo de “treinador”, a jornalista sofre por diversas vezes atentados contra si mesma e ameaças de seqüestro para seu filho, para que ela pare de investigar. Verônica não se intimida e faz dessas ameaças incentivo para comprimento de seu dever como jornalista.
No dia 26 de junho de 1996 morre Verônica Guerin, morre com um tiro na cabeça, enquanto esperava parada no sinal de transito que o sinal abrisse, sem saber que a maldade e a crueldade de homens que enriquecem com o trafico de drogas não esperam por vingança, roubam vida de jovens e assassinam jornalistas sem hesitação.
A morte de Verônica mobiliza toda a Irlanda e faz com que a justiça investigue a fundo o trafico de entorpecentes. É criado um departamento que confisca todos os bens de supostos chefões do crime organizado. Tendo conseqüência à prisão de 150 pessoas envolvidas nesse tipo de trafico.
Para os Jornalistas, fica o exemplo dessa jovem jornalista e acima de tudo uma mãe preocupada com o futuro de um país afogado em drogas que perde cada vez mais jovens. Não se intimidando com ameaças e agressões, centralizando o comprimento e o comprometimento com esta profissão que tem o dever de mostrar a sociedade tudo de relevante para melhorá-la, Verônica Guerin mobilizou não só a justiça, não só um país, mas o coração de atuais e futuros jornalistas.

quinta-feira, 10 de abril de 2008

A COBERTURA JORNALISTICA NO CASO ISABELA

A REPERCURSÃO E O TRABALHO DA GRANDE MÍDIA DO POSSIVEL ASSASSINATO DA MENINA ISABELA ULTRAPASSA A ÉTICA E O CARATER INVESTIGATIVO QUE O JORNALISTA COMO MEDIADOR SOCIAL DEVE SEGUIR.
OBSEVANDO O TRABALHO DA PROPRIA POLICIA OS JORNALISTAS INVESTIGATIVOS BUSCAM ISSESSANTIMENTE O CULPADO PARA TAL ATO DE CRUELDADE. ONDE ESPECULAR E TIRAR CONCLUSÕES PRECIPITADAS JÁ VIRARAM ROTINA NAS GRANDES REDAÇÕES.
JORNALISTAS COMO FORMADORES DE OPINIÃO NÃO DEVEM TOMAR PARTIDO DE SUPOSICÕES BASEADAS EM MATÉRIAS DE OUTROS COMUNICADORES PARA OPINAR E MUITA DAS VEZES JULGAR E POR FINAL DAR SEU PROPRIO VEREDITO.
QUANDO ASSISTIMOS NA TV A COBERTURA DOS GRANDES JORNAIS, PODEMOS PERCEBER O JUIZO DE CAUSA DADO PELOS EDITORES E ANCORAS, TODOS GRANDES JORNALISTAS DE RENOME E RESPEITO A NIVEL NACIONAL. OS COMUNICADORES PRINCIPALMENTE DA MÍDIA TELEVISIVA NÃO SE DÃO CONTA DO ENORME PODER DE ALCANCE QUE POSSUEM EM SEUS ESTÚDIOS.
E AQUELES QUE OS ASSISTEM QUASE QUE DIARIAMENTE PODEM TOMAR AQUELAS OPINIÕES COMO VERDADE ABSOLUTA, O QUE O PÚBLICO VÊ NA MÍDIA É O RETRADO DA VERDADE O RESUMO DO DIA A DIA DA SOCIEDADE. PONTO EM QUE OS FORMADORES DE OPINIÃO AINDA PARECEM NÃO TEREM SE DADO CONTA.
ANTES MESMOS DAS CONCLUSÕES DA POLICIA E DA PERICIA TECNICA E LAUDOS EXPLICANDO AS CAUSAS DA MORTE DA MENINA ISABELA MUITOS VEICULOS DE COMUNICAÇÃO JÁ ACUSAVAM O PROPRIO PAI DA CRIANÇA DE TER COMETIDO O CRIME EM QUESTÃO, E QUANDO O SUPOSTO SUSPEITO FOI PRESO, JÁ VIROU ASSASINO.
DEVE SE TOMAR CUIDADO COM OPINIÕES E CONCLUSÕES, POIS O JORNALISMO NÃO É JUIZ, JURI OU ADVOGADO, MAS DEVE-SE TOMAR CONCIÊNCIA DO PODER QUE A MÍDI POSSUE. POIS TODOS SÃO INOCENTES ATÉ PROVAREM O CONTRÁRIO E NÃO CULPADOS ATÉ PROVAREM A INOCÊNCIA.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Onde está o Jornalismo?

Estava eu em casa já tarde da noite me preparando para dormir, mas em um daqueles momentos em que você fica trocando de canal sem rumo, pois é, em uma dessas trocas vi a cantora Pitty cantando uma de suas musicas a “Pulsos”(musica que pessoalmente gosto). Então, a cantora se apresentava na final do programa conhecido das massas(não sou o Diogo Mainardi da Revista Veja para adjetivar as pessoas de acordo com meus critérios pessoais) o famoso Big Brother Brasil.
Quando o programa acaba, sobe o logotipo da Globo com os seguintes dizeres:
Realização:
Central Globo de Produção
Central Globo de Jornalismo
?
Aí eu estudante de Jornalismo que sou me indaguei:
“O que Big Brother tem a ver com Jornalismo?”
Gostaria de me expressar dizendo que apesar de não gostar do programa em questão respeito todas as opiniões e gostos principalmente no que diz respeito a diversão e entretenimento.
A primeira coisa que veio na minha cabeça foi:
“Não se faz mas Jornalismo sério neste País”
Neste mesmo dia em uma palestra no fórum de Jornalismo da faculdade em São Luís a Jornalista Valéria Sffeir editora internacional da Globo News disse o seguinte:
“O Brasil é o único País que possui oito Big Brothers”
Mas deixo a indagação e a discussão:
“O que tem a ver Big Brother com Jornalismo?”
Mas como diria a musica da Pitty:
“Tenta achar que não é assim tão mal, exercita a paciência, guarda os pulsos pro final, saída de emergência”

domingo, 30 de março de 2008

A VERDADE DE UMA MENTIRA

Em tempos de falsas verdades, histórias fictícias e credibilidade colocada em jogo o Jornalismo precisa reconstruir-se nas suas bases mais solidas a partir dos princípios que regem a real significação do termo ética.
O jornalista como mediador social entre a noticia e o publico deve ter o cuidado de como os fatos as noticias serão transmitidas e mostradas ao seu publico, seja ele leitor, telespectador, ouvinte ou até mesmo o internauta.
Este profissional da comunicação segundo as teorias do jornalismo, também é um construtor de uma determinada realidade, e o nosso dever profissional para com a sociedade, para com a moral e por que não também para com Deus é a veracidade das informações, um compromisso com a verdade e a ética é o caminho que se deve seguir para reconstruir este credibilidade e fidelização do publico para com o Jornalismo. Reconstruir o Jornalismo a partir da ética.
Mas juntar a teoria ética a pratica jornalística não é, e nunca será uma tarefa fácil, o comunicador sofre influências tantos pessoais, econômicas e por que não políticas no seu dia a dia, e isto gera uma série de implicações e conseqüências nesta figura humana geradora de opinião na sociedade. Observamos o caso do Jornalista Jason Blair do jornal mundialmente conhecido o The New York Times, que foi demitido por inventar varias noticias. Sofrer pressões como o imediatismo da matéria a ser publicada, a coação de editores para que seu trabalho jornalístico seja de qualidade com pouco tempo de produção, a necessidade de se manter no topo em uma das revistas ou jornais mais conceituadas do mercado, a briga de egos , todos esses são motivos que levam um profissional a inventar, caluniar e divulgar mentiras e ficções ao invés de noticias .Com o seguimento da ética o jornalismo se defende dos maus jornalistas.
Antes de se entrar em discussão sobre também a responsabilidade social do jornalista devemos atentar para a responsabilidade ética e moral que permeia esta profissão.
O chamado quarto poder está centrado nas mãos de diferentes profissionais e grupos que tem por único e exclusivo intuito, o lucro, não se importando com o caráter sensacionalista de sua matérias pois a noticia pode até ser sensacional, mais o sensacionalismo é a distorção, uma mascara do real “Uma falsa verdade” , o jornalismo como divulgador e construtor do real não deve se abster da conscientização sobre a ética nos meios de comunicação, com o advento da internet, as produções e inovações tecnológicas, torna qualquer internauta um possível divulgador de noticias e opiniões, e muitas das vezes sem critérios e observações sobre os vários lados das histórias.
Então para reconquistar esta chamada credibilidade, confiança e apego popular pelo Jornalismo, devemos nós atuais e futuros jornalistas nos aproveitarmos e usarmos a ética como forma de defesa contra o sensacionalismo e a ficção dentro do Jornalismo.
A ética pode ser comparada a perfeição onde sabemos que ela existe, e somente existe quando estamos sempre a alcançá-la mais temos o conhecimento que não a ainda não a alcançamos.

Código de Ética dos Jornalistas

Código de Ética dos Jornalistas.
Viabilização da rotina profissional.

Discutir e analisar o código de ética do jornalismo nos mostra duas vertentes de primordial importância, a rotina do jornalista e as regras éticas que permeiam esta profissão.
Temos como base o código atualizado no congresso de Vitória no mês de agosto de 2007,devendo o profissional de comunicação ter a preocupação com o público seja ele Leitor, ouvinte ou espectador. Mas estas normas apontam para o jornalista em si , faltando o olhar critico para os donos de Jornais e emissoras, chefes e coordenadores(Donos).
Analisaremos o Art.7º que explicita sobre a remuneração do comunicador; o exercício do jornalismo por pessoas não-habilitadas; Não obtenção de vantagens pessoais, atentamos para o seguinte ponto, qual o papel do sindicato e quais suas ações para coibir e fazer valer nossas práticas e normas?
Próximo ponto Art.8º, o Jornalista é responsável pela divulgação do seu trabalho desde que sua matéria não seja alterada por terceiros,dentro das redações e direções o texto ou reportagem passa por várias revisões mas a má repercussão caí somente nos ombros do Jornalista.
Art.11, Aponta para o sensacionalismo presente em crimes ou acidentes, Capas de jornais exibem fotos com fraturas expostas, sangue e sofrimento dos acidentados e seus familiares. O que fazer quando seu superior lhe entregar este tipo de trabalho? O Jornalista como empregado da empresa e subordinado ao Padrão editorial segue a várias ordens. O art.11 Aborda também a obtenção de maneira não correta de imagens e gravações; Salvo quando esgotadas todas as outras possibilidades de apuração, Então seria muito fácil a defesa nestes casos.
Art.12, Terceiro parágrafo cita a respeitabilidade com que as pessoas mencionadas nas informações devem ser tratadas. Meios de comunicação sensacionalistas proferem ataques pessoais e morais a pessoas de opiniões contrarias as suas linhas Editorias, e quem fiscaliza?
Art.14, Explana a respeito do acumulo de Funções e uma respectiva remuneração pelo trabalho extra. Necessidade do mercado, concorrência dentro e fora do trabalho, Os meios de comunicação precisam de um profissional que realize múltiplas funções, o chamado profissional “Multifacetário” e caso o empregado não aceitar sua remuneração contrata-se outro que aceite seu salário de única função, realizando trabalhos diversos.Discutir o código de ética é valido para todo e qualquer comunicador, mas Junto ao Código de ética do Jornalista deveria ser criado o “Código de Ética e Postura Profissional do Donos de Empresas de Comunicação”.
Responsabilidade Social do Jornalista


Discutir a respeito da responsabilidade social do Jornalista é preciso em primeira estância observar as rotinas diárias desta profissão.
O Jornalista como mediador social entre a noticia e o público deve ter o cuidado de como os fatos irão ser transmitidos, tendo o seu olhar critico mas não deixando de observar estes mesmos fatos pelo olhar do público seja ele leitor, telespectador ou ouvinte.
O profissional da comunicação é um construtor de uma determinada realidade, um construtor que sofre influências tanto pessoais quanto políticas e econômicas, dentro desta rotina o comunicador como funcionário segue a linha editorial da empresa em que trabalha, no nosso estado(Maranhão) a maior predominância de domínio é a força política, uma situação que deixa o Jornalista sobre duas vertentes ou é a favor ou contra um determinado grupo político que esteja no poder. A imparcialidade é um objetivo jornalístico que deve ser sempre almejado, mas como tentar alcançar esta dita imparcialidade se este mesmo profissional está de mãos atadas e com a mente angulada e direcionada pelas forças políticas e econômicas do grupo que comanda a empresa jornalística em que trabalha?
Como o comunicador poderá não ser escravo do sistema que já está imposto,o compromisso do jornalismo é com a verdade dos fatos,mesmo tento em vista a força organizacional deste meio profissional. O público toma como verdade aquilo que é divulgado muita das vezes não tendo o real discernimento de como aquela noticia chegou até ele, não sabendo dos critérios levaram determinado fato a ser divulgado e nem as pressões que o comunicador sofreu no decorrer do seu dia para construir sua matéria.
Antes de se entrar em discussão sobre a responsabilidade social do jornalista devemos primeiro atentar para a responsabilidade ética e para a responsabilidade moral que permeia esta profissão.


Josimar Melo